Archive for the 'Uncategorized' Category

4 anos

Assinala-se aqui mais um aniversário deste blogue. No último ano, por motivos vários que não importa numerar, o ritmo de publicações foi bastante mais baixo do que em anos anteriores. Tenho até agora 305 filmes (41 no último ano).

No decurso deste ano desisti, espero que apenas temporariamente, de actualizar a versão do blogue em espanhol. Questões de tempo. Espero poder retomar a publicação em 3 línguas que vinha fazendo até agora.

As estatísticas do wordpress que contemplam apenas visitas on site registam:

7Olhares__________53 154 —– 9 916

7Eyes_____________16 894—- 3 933

7Ojos_____________16 432—- 1 954

Como sempre, agradeço as visitas, agradeço a leitura.

3 anos

Tem 3 anos a materialização desta ideia de que posso aprender a escrever, de que escrever sobre filmes me faz organizar mentalmente o que na realidade sinto com eles. Como se descobrisse cada filme dentro de mim ao escrever sobre ele. Acredito que o que tenho vindo a fazer resultará como uma espécie de indução intelectual, em que aprenderei pela acumulação de exemplos, pela intensidade e variedade das experiências que vou tendo em filmes. Talvez um dia, ainda não, tente aglomerar e generalizar algumas das coisas que vou percebendo e que vou sintetizando, dos filmes que vejo. Por agora, continuarei dentro das possibilidades, a escrever sobre filmes, 1 a 1, como tenho feito de forma lúcida desde 2007.

Até agora comentei 264 filmes (no último ano foram 84). Gostaria sinceramente de poder aumentar a quantidade de filmes comentados, mas não tem sido possível.

Neste momento as estatísticas de visitas do wordpress (que contemplam apenas as visitas on site) são:

7Olhares:__________43 238 (15 411 no último ano)

7Eyes:_____________12 961 (6 261 no último ano)

7Ojos:_____________14 473 (5 877 no último ano)

Total:_____________70 672 (27 549 no último ano)

Agradeço as visitas, e sempre agradeço as opiniões. Continuo a querer ser lido, e tenho-o sido cada vez, mesmo escrevendo ligeiramente menos. Obrigado

2 anos

Faz agora 2 anos que comecei a ideia deste blogue. Há um ano atrás remarquei o facto de que nunca pensei que pudesse durar tanto tempo esta experiência, sobretudo pela proposta de a fazer em 3 línguas. Tenho conseguido, e isso tem-me satisfeito, em alguma medida.

Tenho neste momento 180 filmes comentados (99 no último ano). Não é o número de filmes que estabelece a eventual qualidade daquilo que tenho vindo a fazer, mas acabei por aumentar o número de comentários neste segundo ano de vida do blogue, o que também me deixa satisfeito.

Sobretudo tenho usado, como sempre referi, o pretexto de comentar filmes para aprender sobre eles, aprender sobre cinema e, consequentemente, aprender algo sobre mim. É uma aventura poder explorar realmente filmes, sem medo, como o têm a maioria daqueles que vão vendo filmes. É uma aventura porque entrar num filme, seja bom ou seja mau, é sempre uma experiência em que encontramos aquilo que levamos connosco, aquilo que somos. Há filmes que mudam a minha vida quando os vejo, e são esses que sempre procuro, mesmo quando não encontro.

As estatísticas do wordpress (que contam infelizmente apenas as visitas “on site”) são neste momento:

7Olhares:___ 27 827 visitas (14 290 no último ano)

7Eyes: ________6 700 visitas ( 3 989 no último ano)

7Ojos: _________8 596 visitas ( 4 422 no último ano)

_________43 123 visitas (22 701 no último ano)


Ser visitado dá-me força para continuar, nas 3 línguas. Agradeço sempre sugestões, no site, ou por mail, como vou recebendo. Sobretudo acredito na possibilidade que a internet dá de aproximar opiniões, conhecimentos, pessoas.

pelos filmes, Manoel de Oliveira

oliveira

Quem costuma ler o meu blog sabe que escrevo quase exclusivamente comentado directamente (mais ou menos) filmes. Tirando uma meia dúzia de entradas sobre temas diversos, tudo o resto são comentários a filmes que vou vendo. Hoje é uma dessas excepções. A excepção é que um realizador ainda em actividade faz 100 anos. A maioria dos portugueses partilha 2 características: -todos conhecem a figura, Manoel de Oliveira e sabem que hoje é o aniversário dele; -poucos viram algum filme dele e os que os viram normalmente não “gostam”;

No entanto eu acho que se é uma curiosidade que alguém viva para realizar aos 100 anos de idade, a Obra em questão é mais que uma curiosidade. Interessa, para mim, e em alguns momentos pesa nos meus sonhos. Desde que comecei este blog comentei 1 filme do Oliveira, o seu Cristóvão Colombo – O Enigma mas a verdade é que a primeira vez que alguma vez escrevi sobre cinema, foi sobre um dos seus filmes. Em 18 de Agosto de 2002, escrevi um comentário a “Viagem ao Princípio do Mundo”, um filme que mudou a minha forma de ver filmes e, por isso, os meus sonhos. Hoje, quando leio o que escrevi, quando tinha 18 anos e uma cinefilia crescente, não subscrevo a ingenuidade e inconsciência das observações que fiz, mas subscrevo a paixão pelo filme em questão, que extendo aqui à obra do homem. Aqui fica esse comentário primário:


Portuguese fado plus deep philosophy


I must say that this film, made by the most prestigious portuguese director (Manoel de Oliveira), is a great reflexion about Portugal’s more typical feelings and about life in general. It has in it the symbols of many things like the hard work shown by Pedro Macau, the statue. It is also a way to show the beautiful landscape (at least a sample of it) that my country has… It is important to notice the past of Afonso, the son of a portuguese emigrant in France, which is very common in Portugal (there are about 750 000 portuguese emigrants in France) and the recent portuguese history told by the country old woman. It’s a grace to watch to this touching movie. In it Marcello Mastroianni says Goodbye to cinema… and to life. He did the best way, I must say. This peace of art proves at least two things… Poetry can be written through images, and the portuguese people have poetry on its spirit; Oliveira with his now 93 years old proved it… Behold a master piece!…

Este comentário no IMDb

What goes around, comes around (2008)

“What goes around comes around” (2008 )

Esta não é uma entrada normal. Não estou a comentar um filme que tenha visto, estou a mostrar um filme que fiz, em parceria. No passado mês de Abril (dias 7-18), aconteceu na FAUP, Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto um workshop dedicado a explorar as relações entre cinema e arquitectura, fazê-lo num âmbito internacional, e experimentar praticamente explorar essa relação, ou seja, produzir filmes.

Das 3 experiências em que participei esta foi aquela cujo resultado final mais me agradou, e a única que acho que pode ter interesse mostrar aqui. Participaram na produção deste filme directamente 6 pessoas. Os créditos estão incluídos no filme, mas a pouca qualidade desta versão não permite ler. A minha participação passou pela cinematografia (trabalho de câmara, sobretudo) e a criação/execução da banda sonora. Procurarei actualizar este post com o resto dos créditos. Entretanto, caso alguém queira saber algo mais, agradeço que pergunte, por mail seria melhor.

What goes around, comes around:

A vossa opinião: X

CinemArchitecture

1 ano

Há um ano atrás, dia 25 de Maio de 2007, publiquei o meu primeiro texto neste blogue, uma nota introdutória e de intenções. No dia seguinte publiquei o meu primeiro comentário a um filme. Não imaginei nessa altura que esta aventura trilíngue pudesse durar tanto tempo de acordo com as intenções delineadas originalmente por mim. Mas durou, já tive muitas alegrias, e bastante empenho nesta ideia.

Um ano depois, comentei 81 filmes no total, obtive uma quantidade razoável de respostas, perguntas, convites, simples notas a dar força para continuar, directamente no blogue mas sobretudo por mail. 81 filmes num ano significa aproximadamente 1,5 filmes por semana. Não imaginei poder ter esse ritmo, tendo em conta o carácter completamente amador de um blogue deste tipo. Espero poder continuar assim, e convido todos os que por aqui passam e que me leem a escrever-me com sugestões ou simples comentários sempre que assim o desejarem. É a maior alegria para mim poder ler as opiniões de pessoas que se interessam pelo que faço.

O WordPress registou estas estatísticas no último ano:

7Olhares: 13 537 visitas

7Ojos: 4 174 visitas

7Eyes: 2 711 visitas

Total: 20 422 visitas (visitas “on site”, excluindo “syndicated views”)

Fiquei satisfeito, nunca esperei vir a ter tantas visitas. Espero que continuem a acompanhar-me nesta ideia. Leiam-me, comentem-me e vejam filmes.

Rui Resende

ruiresende84@gmail.com

acerca de uma eleição

7Olhares em primeiro lugar na eleição do melhor blog português 2007 na categoria “entretenimento”

Foi repentino o que aconteceu nos últimos dias. Mas desde a nomeação do 7Olhares para melhor blog português na categoria entretenimento até ao primeiro lugar que o júri decidiu dar, pouco tempo tive de pensar em tudo. Desde que comecei esta ideia, no final de Maio passado, este é o momento de maior orgulho que tenho. Só pela nomeação já valia a pena tudo, ter o primeiro lugar numa lista de nomeados cheia de qualidade, é mais do que podia imaginar há meio ano atrás.

1º. 7 Olhares
2º. Cine-Asia
3º. Deuxieme

4º. Cineblog
5º. Cine7
6º. Hotvnews 2.0
7º. TVDependente
8º. LOST in Portugal
9º. Tvcinews
10. Séries & Filmes
11. Viciado em Cinema e TV (A Sequela)
12. Blog da Trilogia BTTF

Aos outros blogs listados os meus parabéns pela paixão e motivação com que mantêm os seus projectos (eu prefiro chamar-lhes ideias). A forma blog deve ser uma das maiores conquistas em muito tempo em termos de expressão individual e possibilidade de partilha, por isso deve ser estimulada com iniciativas destas.

Recordo o que escrevi no dia em que inaugurei este sítio:

“… Tenho a esperança, mais, tenho a ambição de ser lido e, talvez, ser comentado. É esse o meu convite.”

continua a ser esse o meu convite…

30 de Julho 2007

Bergman / Antonioni

Não sei porque tinham de morrer no mesmo dia, até já ouvi dizer que o Antonioni morreu de choque ao ouvir que o Bergman tinha morrido. Seja como for, são dois dos últimos… não sei últimos de quê, mas tive a sensação que eram dois dos últimos a ir.

No meu caso pessoal, como amante de cinema, liguei-me sempre mais à obra do Antonioni, sem questões pessoais são dois mestres-génios-pessoas que a partir de 30 de Julho de 2007 ganharam o direito a ser imortais.

Para mim não é este o momento dos discursos longos. É o momento de quem tiver acesso agora mesmo, pegar no primeiro filme que estiver na superfície da memória de cada um e rever, 1 minuto, 2 minutos, dois planos ou o filme todo, ou todos os filmes. É provavelmente o que vou fazer.

Ingmar Bergman (1918-2007)

Michelangelo Antonioni (1912-2007)

O cinema de Iñarritu, introdução a Babel

Princípio cinemáticos

O cinema, como toda a arte, é comunicação. Tudo o que passa por imagem em movimento ou não, com ou sem som, é pura comunicação. Queira-se ou não, negue-se (enquanto artista) ou não esse facto, tudo que aparece comunica algo. Em controlar o que se comunica está a arte. Assim, “Babel” escolhe porventura o tema mais difícil de explorar por qualquer médio artístico: o da não comunicação. Tudo o que Iñarritu pretende é mostrar a ausência da comunicação, e os efeitos dela, colocar-nos no buraco escuro onde as suas personagens estão e onde, no fundo, todos nós nos inserimos.

Creio estar aqui o que de mais contemporâneo o cinema pode produzir. E explico: o cineasta português João Botelho uma vez afirmou que a tentação de contar uma história é o pecado original do cinema, a ideia de sucessão de factos, narrativa e climax e conclusão. O cinema contemporâneo, na sua ânsia de evoluir, encontra-se, no entanto, em algum ponto de crise em que se procura redefinir e evoluir. Um pouco como o mundo de Babel. Complexo, fascinante, mas de algum modo desgovernado. Iñarritu rejeita a história pela história, a narrativa linear que dá o pretexto para “pendurar” algumas imagens. Afasta-se dos factos, concentra-se no trabalho da imagem (e que imagem, a fotografia é fantástica) e do contexto. Por certo não é o primeiro a tentá-lo, mas é dos que melhor o faz num contexto de massas e com consistência. Da mesma forma é contemporâneo na forma autoreferencial como aborda a própria arte da realização cinematográfica. Este filme, como “Amores Perros” e “21 grams” é também uma pesquisa sobre a construção de narrativa e sobre cinema. É também um filme sobre outros filmes e, por isso, sobre cinema.

7 olhares, uma ideia

no quadro 11 de Vivre sa Vie, Anna Karina mantém uma conversa de vários minutos com o homem a quem, como prostituta, se insinuou. no decurso dessa conversa, ele relembra Platão quando refere, há 2500 anos, que pensamento e palavras são um só, e que as palavras existem para fixar as ideias. Quando me decido começar um blogue escrevendo (penso eu) sobre cinema, procuro precisamente, fixar ideias que me passaram pela cabeça quando via um filme e que, sem as palavras, acabarão por se perder. Os meus comentários não são, por isso, descrições completamente abrangentes de cada filme de que falo, são os aspectos que achei importantes naquele momento e que, na minha cabeça, fazem aquele filme. Tenho a esperança, mais, tenho a ambição de ser lido e, talvez, ser comentado. É esse o meu convite.


Destaques

Vou começar de forma mais séria a tratar o tema do cinema e espaço/arquitectura. Espero poder introduzir novidades em breve