Ministry of Fear (1944)

“Ministry of Fear” (1944)

ministry

IMDb

Noir e (sem) Alma

O que aconteceu a Fritz Lang quando ele foi para a América? Todos os elementos mais fortes da sua criação na Alemanha perderam-se. Ando a ver os seus filmes americanos, para já vi 3, e nenhum vale a pena o tempo.

Assim, a história é conhecida: tendo feito um bom número de filmes na Alemanha, todos eles (ou a maioria) tentando explorar os limites do cinema como um palco, e a tentar encontrar a manifestação visual das almas em jogo (expressionismo). No caminho, ele criou trabalhos de poder visual duradouro (M, Mabuse e Metropolis são provavelmente os pontos mais altos, pelo que conheço). Ele não estava sozinho, estava inserido numa tendência na Alemanha. Com a ascensão nazi, ele foi para a América. Aí, ele abandonou a experiência expressionista, e começou a produzir sobretudo um género em evolução, o que se tornaria o filme negro. O noir básico, dos anos 40, pede muito emprestado ao expressionismo que Lang ajudou a desenvolver na Alemanha, mas tinha um desenvolvimento narrativo diferente, e mudou o significado do que os efeitos luz/sombras significavam nos filmes alemães.

Este último aspecto é provavelmente o que fez a coisa falhar. Na Alemanha, ele estava interessado (como expressionista) em passar os sentimentos pesados nas almas dos personagens para nós, e fazer-nos sentir como eles, e criar um mundo que reflectisse uma alma. Para o noir funcionar, o realizador deve concentrar-se em como a história se desenvolve em torno de um personagem. É uma questão de criar um mundo que o personagem principal (e nós) não conheçoa, para poder fazê-lo (e a nós) encontrá-lo. O personagem está no centro desse mundo.

Por isso, este É noir. Tem todos os elementos, na verdade até estão bem montados. Foi feito quando o noir já estava completamente estabelecido como género, e as regras desse género estão todas aqui. Assim, temos o personagem de Ray Milland no centro de uma conspiração criada “especialmente” para ele. Mas depois, Lang quer que mergulhemos nas profundezas da sua alma, o relógio que ele observa no início e ao longo do filme. E isso baralha as coisas, até porque a construção noir é puro noir, mas não assim tão bom, não assim tão cativante.

Somado a isto, temos a vontade de retratar a guerra. Assim, o sub-enredo da conspiração é provavelmente uma mensagem de “suspeitem de toda a gente” dirigida às audiências desses dias. Mas apesar de tudo, é entretenimento.

Assim, o filme não tem alma, porque Lang queria desenvolver almas, mas o então relativamente novo género requeria técnicas narrativas.

A minha opinião: 1/5

Este comentário no IMDb

0 Responses to “Ministry of Fear (1944)”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




Destaques

Vou começar de forma mais séria a tratar o tema do cinema e espaço/arquitectura. Espero poder introduzir novidades em breve